Arquivo do mês: abril 2010

Uso do Twitter nas Campanhas Presidenciais

As redes sociais estão cada vez mais em evidência, tornando-se fortes aliadas em diversas áreas. Na internet o poder das redes sociais é amplamente potencializado devido a rapidez com que as informações se disseminam, na digitalização da informação deixam de existir as barreiras de tempo e distância.

Empresas usam as redes sociais como fortes aliadas nas propagandas e disseminação de serviços, na área pessoal atuam fazendo um forte marketing pessoal, transformando a imagem das pessoas e lhe dando status popular.

Políticos têm observado essas potencialidades e começam a usar as ferramentas digitais para estimular suas campanhas e construirem suas imagens pessoais. O Presidente Lula sancionou lei que libera o uso da internet em campanhas eleitorais e candidatos à presidência estão criando twitters para dar suporte a suas campanhas.

Este movimento não se iniciou em nosso país. Analistas políticos sugerem que a campanha vitoriosa do presidente dos Estados Unidos Barack Obama, se deve muito ao bom uso que fez da internet e das estratégias políticas através do uso das redes sociais.

Atualmente com a ajuda da assessoria pessoal, políticos brasileiros, candidatos à presidência têm usado os twitters para promoverem suas campanhas pela presidência. Neste processo, de campanha política, começam a aparecer investimentos em layouts de twitters, além da construção de estratégias para gerar maior visibilidade dos candidatos. Um ponto interessante do twitter é que se pode ter uma idéia da atual popularidade do candidato, observando o número de seus seguidores, além de estimular uma linha de diálogo e interação com o público.

No twitter de Dilma Russeff observa-se seu layout em vermelho, uma alusão às cores do PT. Atualmente possui 38 mil e trezentos seguidores, a abordagem das informações passadas busca construir um diálogo participativo para com seus seguidores. Já o twitter de Ciro Gomes, percebe-se um layout menos chamativo com cores mais amenas, mas a estratégia escolhida por sua equipe foi de dar mais ênfase a sua agenda política e expor os pontos de vista do candidato dentro dos debates políticos. Ciro possui atualmente 16 mil e quinhentos seguidores. Para os interessados nos twitters de outros candidatos a presidência: @silva_marina , @Sr_nulo, @MarioOliveira70, @Eymael, @AmericoPSL, @zemaria_pstu, @levyfidelix

Importante lembrar que o site do TRE de Minas Gerais possui um serviço de denúncias contra abusos eleitorais na rede.

Por Alexandre Pimenta, Ana Sandim, Deleoni Amorim e Hélio Monteiro

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

OFERTA MULTIMÍDIA É AMPLIADA

No início de março, o site do Estadão passou por uma reformulação. A intenção era que o site trouxesse uma oferta multimídia mais ampla, com vídeos, galerias de imagens, podcasts e interatividade com o público. Tal transição, tem se tornado cada vez mais recorrentes em diversos sites de notícia.

É importante ressaltar que neste processo de transformação do jornalismo tradicional para o webjornalismo aparecem três fases distintas: a fase transpositiva, a perceptiva e a hipermidiática.

De acordo com o jornalista João Ventura, a fase transpositiva é aquela onde as conteúdo do site é idêntico ao da edição impressa. “Além das matérias publicadas no online e impresso serem as mesmas, elas não utilizam links e vídeos”, explica Ventura. Os sites O Diário News e o Diário Oficial do Município de Belo Horizonte, por exemplo, permanecem nessa fase. Quando as matérias além de conter informações do impresso já começam a agregar outras ferramentas multimídia com função de complementação da informação, passamos para a fase perceptiva. Os portais do Estadão e do Tempo em algumas ocasiões republicam as matérias do impresso agregando links, mapas e vídeos.

A terceira e última fase é chamada de Hipermidiática. Nela se utiliza todas as ferramentas multimídia disponíveis e uma maior interação com o leitor que pode inclusive opinar sobre as matérias. Nas reportagens especiais do Estadão nota-se uso de vídeos, áudios, RSS – complementação de informações, twitter entre outros.

Para os alguns profissionais da área, a reforma do Estadão foi positiva, principalmente porque houve maior oferta de conteúdo. “Antes eu achava a página muito gelada, tinha poucas atualizações, contemplava muito poucos assuntos. ”, relembra a jornalista da Folha de São Paulo, Tainã Nalon.

Novas ferramentas multimídia são de fácil utilização e permitirem um trabalho cooperativo e colaborativo. Atualmente, a edição e publicação de conteúdos online disponibilizam espaço para armazenamento de dados, trabalham dentro do princípio da reutilização de conteúdos, oferecem recursos de interatividade. Dentre eles podemos lembrar dos chats, enquetes, fóruns de discussões e comentários além de opções para a configuração de interface.

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura Digital, Tecnologia, Webjornalismo